UsIslam

button

A Vida Simples de Muhammad



Source: http://www.islam-guide.com/pt/frm-ch1-6.htm





Muhammad - El Profeta Del Islam Canal Historia



Se nós compararmos a vida de Muhammad antes da sua missão como profeta e sua vida depois que ele começou a sua missão como profeta, nós concluímos que não é razoável pensar que Muhammad é um falso profeta, que reivindicou a profecia para alcançar ganhos materiais, majestade, glória, ou poder.

Antes de sua missão como profeta, Muhammad não tinha preocupações financeiras. Como um comerciante bem sucedido e conhecido, Muhammad obtinha uma renda satisfatória e confortável. Após sua missão como profeta, e por causa dela, tornou-se mais pobre materialmente. Para esclarecer mais, vamos ler os seguintes hadiths sobre a sua vida:

n Aa’isha, a esposa de Muhammad , disse: “Ó meu sobrinho, às vezes passamos por três luas novas em dois meses sem acender o fogo (para cozinhar uma refeição) nas casas do Profeta. Seu sobrinho perguntou: ‘Tia! O que sustentou vocês?’ Ela disse, duas coisas, tâmaras e água, mas o profeta tinha alguns vizinhos dos Ansar que tinham camelas que davam leite, e mandavam ao profeta de seu leite”1

n Sahl Ibn Sa’ad, um dos companheiros do profeta disse: “O profeta de Deus nunca viu pão feito de farinha refinada desde o começo de sua missão até sua morte”2

n Aa’isha, a esposa do profeta disse: “O colchão do profeta, onde ele dormia, era feito de couro recheado com fibras de palmeiras”3

n Amr Ibn Al-Hareth, um dos companheiros de Muhammad disse que quando o profeta morreu, ele não deixou nem dinheiro e nem qualquer outra coisa, exceto sua mula branca, sua arma, e um pedaço de terra que deixou como caridade4

Muhammad viveu esta vida dura até morrer, embora o tesouro islâmico estivesse à sua disposição, a maior parte da península árabe fosse muçulmana antes de sua morte, e os muçulmanos fossem vitoriosos após dezoito anos de sua missão.

É possível que Muhammad possa ter reivindicado a profecia a fim de alcançar a grandeza e o poder? O desejo de desfrutar do poder é associado geralmente com boa comida, roupa extravagante, grandes palácios, e autoridade indisputável. Alguns destes indicadores aplicam-se a Muhammad ? Alguns aspectos de sua vida, que podem ajudar a responder esta pergunta, se seguem.

Apesar de suas responsabilidades como profeta, professor, estadista, e juiz, Muhammad costumava ordenhar sua cabra,5 remendar sua roupa , consertar seus sapatos, 6ajudar com o trabalho da casa,7 , e visitar as pessoas pobres quando estavam doentes.8 Ele também ajudou seus companheiros a escavar uma trincheira tirando a areia com eles.9 Sua vida com eles era um modelo surpreendente de simplicidade e humildade.

Os seguidores de Muhammad amaram-no, respeitaram-no, e confiaram nele a um nível surpreendente. Apesar disso, ele continuou a enfatizar que a deificação devia ser dirigida a Deus, e não a ele pessoalmente. Anas, um dos companheiros de Muhammad disse que não havia nenhuma pessoa a quem amaram mais do que o profeta Muhammad , e ainda quando ele se aproximava deles, não levantavam para ele,10 porque ele odiava ser tratado como os povos faziam com seus grandes líderes.

Por muito tempo antes de haver qualquer perspectiva de sucesso para o Islã, e no começo de uma era longa e dolorosa de tortura, sofrimento, e perseguição a Muhammad e seus seguidores, ele recebeu uma oferta interessante. Um enviado dos líderes pagãos, Otba, veio a ele dizendo: “Se você quiser dinheiro, nós coletaremos bastante dinheiro para você de modo que você seja o mais rico de todos nós. Se você quiser a liderança, nós faremos de você nosso líder e nunca decidiremos nada sem sua aprovação. Se você quiser um reino, nós o coroaremos rei sobre nós.” Somente uma concessão foi requerida de Muhammad em retorno de tudo isto: parar de chamar os povos ao Islã e para adorar Deus sem nenhum parceiro. Esta oferta não seria tentadora para uma pessoa em busca de benefício terreno? Muhammad estava hesitante quando a oferta foi feita? Ele a recusou como estratégia de barganha, deixando a porta aberta para uma oferta melhor? Esta foi sua resposta: {Em nome do Deus, o Clemente, o Misericordioso} e relatou a Otba os versículos 41:1-38.11 do Alcorão. 11 Os seguintes são alguns destes versículos:

(Eis aqui) uma revelação do Clemente, Misericordiosíssimo. É um Livro cujos versículos foram detalhados. É um Alcorão árabe destinado a um povo sensato, alvissareiro e admoestador; porém, a maioria dos humanos o desdenha, sem ao menos escutá-lo. (Alcorão, 41:2-4)

Em uma outra ocasião, e em resposta a um pedido de seu tio para parar de chamar as pessoas ao Islã, a resposta de Muhammad foi decisiva e sincera: {Eu juro por Deus, meu tio, que se colocarem o sol na minha mão direita a lua na minha mão esquerda em retorno para desistir desta matéria (chamar as pessoas ao Islã), eu nunca desistirei até que Deus a faça triunfar ou eu morra defendendo-a.12

Muhammad e seus poucos seguidores sofreram não somente perseguição por treze anos, mas os descrentes tentaram matar Muhammad diversas vezes. Em uma ocasião tentaram matá-lo jogando uma pedra grande sobre sua cabeça. 13 Outra vez tentaram matá-lo envenenando sua comida 14 O que poderia justificar tal vida de sofrimento e sacrifício mesmo depois de totalmente vencer seus adversários? O que poderia explicar a humildade e a nobreza que demonstrou em seus momentos mais triunfantes, quando ele confirmou que o sucesso era devido somente à ajuda de Deus e não a seu próprio gênio? Será que estas características são de um homem procurando poder e centrado em si mesmo?

Footnotes:

(1) Narrado em Saheeh Muslim, #2972, e Saheeh Al-Bukhari, #2567. Back from footnote (1)

(2) Narrado em Saheeh Al-Bukhari, #5413, e Al-Tirmizi, #2364. Back from footnote (2)

(3) Narrado em Saheeh Muslim, #2082, e Saheeh Al-Bukhari, #6456. Back from footnote (3)

(4) Narrado em Saheeh Al-Bukhari, #2739, e Mosnad Ahmad, #17990.Back from footnote (4)

(5) Narrado em Mosnad Ahmad, #25662. Back from footnote (5)

(6) Narrado em Saheeh Al-Bukhari, #676, e Mosnad Ahmad, #25517. Back from footnote (6)

(7) Narrado em Saheeh Al-Bukhari, #676, e Mosnad Ahmad, #23706. Back from footnote (7)

(8) Narrado em Mowatta’ Malek, #531. Back from footnote (8)

(9) Narrado em Saheeh Al-Bukhari, #3034, Saheeh Muslim, #1803, e Mosnad Ahmad, #18017. Back from footnote (9)

(10) Narrado em Mosnad Ahmad, #12117, e Al-Tirmizi, #2754. Back from footnote (10)

(11) Al-Serah Al-Nabaweyyah, Ibn Hesham, vol. 1, pp. 293-294. Back from footnote (11)

(12) Al-Serah Al-Nabaweyyah, Ibn Hesham, vol. 1, pp. 265-266. Back from footnote (12)

(13) Al-Serah Al-Nabaweyyah, Ibn Hesham, vol. 1, pp. 298-299. Back from footnote (13)

(14) Narrado em Al-Daremey, #68, e Abu-Dawood, #4510. Back from footnote (14)